coração

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

"Tu és a própria Beleza!"


PARA UMA TEOLOGIA DA BELEZA
"Tu és a própria Beleza!"
"Ó altíssimo, infinitamente bom, belíssimo... Deus, que do nada criaste este mundo, o qual acham belíssimo os olhos de todos que o contemplam. Deus, por quem todas as coisas são perfeitas, ainda com a parte que lhes toca de imperfeição. Deus, Pai da Verdade, Pai da sabedoria, Pai da verdadeira e suprema vida, Pai da felicidade, Pai do que é bom e belo, Pai da luz inteligível, Pai do nosso desvelo e iluminação... Eu te invoco, Deus Verdade, em quem, por quem e mediante quem é verdadeiro tudo o que é verdadeiro. Deus Sabedoria, em quem, por quem e mediante quem têm sabedoria todos os que sabem... Deus Bondade e Beleza, em quem, por quem e mediante quem é bom e belo tudo o que tem bondade e beleza... Com efeito, se há alguma realidade mais excelente, essa então é Deus... Uma vez que onde se conhece e possui o bem supremo é na Verdade, e essa Verdade é a Sabedoria, contemplemos e possuamos nela o bem supremo, e desfrutemos dele, pois bem-aventurado é o que desfruta do bem supremo."
“Tarde te amei, ó beleza, tão antiga e tão nova! Tarde demais eu te amei!”
Santo Agostinho

Tirado da linda Pagina do Padre Juarez de Castro.

NÃO SER INDIFERENTES AO PRÓXIMO QUE ENCONTRAMOS


NÃO SER INDIFERENTES AO PRÓXIMO QUE ENCONTRAMOS
"Sabemos que os girassóis seguem o sol durante o dia e estão sempre enfileirados lado a lado. Dizem que quando o céu está nublado, eles giram uns para os outros e trocam entre eles a energia recebida do sol. Não sei o quanto isso é científico, mas é ilustrativo para a nossa vida. Estando todo o tempo fixos em Deus, devemos saber que ao nosso lado estão os irmãos. Tudo o que Deus infunde em nosso coração é para ser colocado em comum uns com os outros. A comunhão dos bens espirituais fortalece quem doa e quem recebe. Além disso, ficamos mais receptivos aos dons do Espírito. Olhemos ao nosso redor, distribuamos através de gestos de amor concretos as energias divinas que recebemos. Veremos que quanto mais amamos, mais o amor se manifesta em nosso coração. Assim, nunca seremos indiferentes ao próximo que encontramos."
Apolonio Carvalho Nascimento
Paz e bem! Abençoado dia de Santo Antão, pai dos monges! Deus te abençoe e te guarde! Abraço.

Tirado da linda página de Frei Aluísio Alves

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

A dor...A cura...O socorro


 A dor...A cura...O socorro


Algumas pessoas dizem ou fazem coisas que o machucam, mas você tem a habilidade
dada por Deus para amar essas pessoas. Uma boa forma de começar é seguir a bem conhecida regra de ouro. Não é fácil. De fato, requer disciplina. Mas Deus o ajudará se você realmente desejar fazê-lo. A disciplina é sua amiga, é a habilidade que Deus lhe dá para caminhar nos caminhos dEle. Embora seja difícil, a disciplina é um desconforto temporário que pode
trazer alegria permanente ou prazer em longo prazo.Se você é ferido e aprende a vencer isso, terá uma valiosa ferramenta para ajudar os outros. Deus nos conforta para que possamos confortar outras pessoas. Aqui está a progressão: somos feridos... Permitimos que Deus
nos cure... Estamos prontos a socorrer os outros. Ferida... Cura... Socorro! É um processo que, literalmente, pode mudar sua vida e a vida de muitas outras pessoas ao seu redor.


(Joyce Meyer)

O olhar de Jesus.


 O olhar de Jesus

Que olhar é esse único, sereno,
profundo!… Difícil de descrever!?
Olhar que trespassa! E a alma toca!
Olhar bálsamo, perfume, licor!...
Olhar revelador do celeste!
Portentoso, onírico de sublime poder!
Olhar cura, redenção, consolo, vida!
Força do mais elevado amor!
Olhar ponte…fluências jorrantes de
mananciais do celeste…divino!...
Olhar revelador de extrema tristeza.
Olhar “avante” pra prosseguir…
Olhar transcendente, enigmático,
sublime, angélico, cristalino!…
Olhar envolvente! Diáfano! Ósculo!
Gozo perene do excelso porvir! 

Sebastiao Bernard

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Partir, Caminhar.


“Partir é, antes e tudo, sair de si. 
Romper a crosta de egoísmo que tende a 
aprisionar-nos no próprio eu.

Partir é não rodar, permanentemente, 
em torno de si, numa atitude de quem,
na prática, se constitui centro do Mundo
e da vida.

Partir é não rodar apenas em volta
dos problemas das instituições
a que pertence. 

Por mais importantes que elas sejam,
maior é a humanidade
a quem nos cabe servir.

Partir, mais do que devorar estradas,
cruzar mares ou atingir velocidades supersônicas, 
é abrir-se aos outros, descobri-los,
ir-lhes ao encontro.

Abrir-se às idéias,
inclusive contrárias às próprias,
demonstra fôlego de bom caminheiro.

Feliz de quem entende e vive este pensamento:
”Se discordas de mim, tu me enriqueces”.

Ter ao próprio lado quem só sabe dizer amém, 
quem concorda sempre, de antemão e
incondicionalmente, não é ter um companheiro,
mas sim uma sombra de si mesmo.

Desde que a discordância não seja sistemática
e proposital, que seja fruto de visão diferente, 
a partir de ângulos novos,
importa de fato em enriquecimento.

É possível caminhar sozinho. 
Mas, o bom viajante sabe que
a grande caminhada é a vida
e esta supõe companheiros. 

Companheiro, etimologicamente, 
é quem come o mesmo pão.

O bom caminheiro preocupa-se
com os companheiros desencorajados,
sem ânimo, sem esperança…
Advinha o instante em que se acham
a um palmo do desespero.

Apanha-os onde se encontram. 
Deixa que desabafem e, com inteligência,
com habilidade, sobretudo, com amor,
leva-os a recobrar o ânimo e
voltar a ter gosto na caminhada.

Marchar por marchar não é ainda
verdadeiramente caminhar.

Para as minorias Abraâmicas, partir, 
caminhar significa mover-se e ajudar muitos outros
a moverem-se no sentido de tudo fazer
por um mundo mais justo e mais humano.” 

* Dom Helder Câmara, Arcebispo de Olinda & Recife, in "O Deserto é Fértil".

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

O amor..


"O amor desta Paróquia, consequentemente, de sua gente, permanecerá para sempre, pois tudo o que vivemos e experimentamos foi real e verdadeiro, a ponto de deixar marcas indeléveis, as quais ninguém, tempo, distancias ou circunstâncias serão capazes de apagar".
Edson Oliveira Lima
(crédito da foto Marli Rodrigues: pura sensibilidade)

"Grande é aquele que sabe esquecer-se de si mesmo, para fazer os outros felizes".

S.T


O Batismo de Jesus.


+PAX!
REFLEXÃO DO DIA > em verdade, Jesus foi batizado por João Batista no rio Jordão, que ao sair das águas, como num êxtase, viu o céu se abrir e o Espírito Santo descer sobre ele e ouviu uma voz que dizia: “Tu és o meu Filho amado. Em ti está o meu agrado”. Entrando nas águas, Jesus as santificou e lhes deu o poder de se tornarem sinal de uma vida nova. Saindo das águas, revela-se a Trindade. Sobre o Filho paira o Espírito e o Pai o chama de Filho bem-amado. Jesus não precisava de um batismo para redimir seus próprios pecados porque não os tinha, mas ele queria em tudo assemelhar-se aos seres humanos para matar o pecado em sua própria carne. Sem o ser, Ele se faz pecador com os pecadores. João batizava com água, lavava o corpo como sinal de conversão, de mudança de vida, de vontade de estar preparado para o Dia do Senhor. Jesus batizará no Espírito Santo. O próprio João faz a distinção entre o seu batismo e o de Jesus. O de João é com água, o de Jesus será no Espírito Santo. A carta a Tito ajuda-nos a entender o batismo no Espírito Santo, que nos gerou de novo e nos renovou. Isso aconteceu no nosso batismo. Fomos então justificados, começamos uma nova existência e nos tornamos herdeiros da vida eterna!!!
Em unidade, assim seja e fraterno abraço amigos e irmãos na fé!
Irmão Pedro (Paulo Henrique Da Fonseca Gerzson).

sábado, 6 de janeiro de 2018

O Espírito do Soberano, o Senhor, está sobre mim.


O Espírito do Soberano, o Senhor,
está sobre mim,
porque o Senhor ungiu-me
para levar boas notícias aos pobres.
Enviou-me para cuidar dos que estão
com o coração quebrantado,
anunciar liberdade aos cativos
e libertação das trevas aos prisioneiros, para proclamar o ano da bondade do Senhor
e o dia da vingança do nosso Deus;
para consolar todos os que andam tristes e dar a todos os que choram em Sião
uma bela coroa em vez de cinzas,
o óleo da alegria em vez de pranto
e um manto de louvor
em vez de espírito deprimido.
Eles serão chamados
carvalhos de justiça,
plantio do Senhor,
para manifestação da sua glória. 
Isaías 61:1-3

Solenidade da Epifania do Senhor.


A Igreja celebra a Epifania, isto é, a manifestação do Senhor ao mundo inteiro. Os Magos representam os povos de todas as línguas e nações que se põem a caminho, chamados por Deus, para adorar Jesus (cf. Mt 2, 1-12).
Nos Reis Magos, vemos milhares de almas de toda a terra que se procuram o Senhor para adorará-Lo. Passaram-se vinte séculos desde aquela primeira adoração, e esse longo desfile do mundo inteiro continua chegando a Cristo.
A festa da Epifania incita todos os fiéis a partilharem dos anseios e fadigas da Igreja, que “ora e trabalha ao mesmo tempo, para que a totalidade do mundo se incorpore ao Povo de Deus, Corpo do Senhor e Templo do Espírito Santo” (LG 17). Nós podemos ser daqueles que, estando no mundo, imersos nas realidades temporais, viram a estrela de uma chamada de Deus e são portadores dessa luz interior que se acende em consequência do trato diário com Jesus. Sentimos, pois, a necessidade de fazer com que muitos indecisos ou ignorantes se aproximem do Senhor e purifiquem a sua vida.
A Epifania é a festa da fé e do apostolado da fé. “Participam desta festa tanto os que já chegaram à fé como os que procuram alcançá-la. Participa desta festa a Igreja, que cada ano se torna mais consciente da amplitude da sua missão. A quantos é necessário levar ainda a fé! Quantos homens é preciso ainda reconquistar para a fé que perderam, numa tarefa que é às vezes mais difícil do que a primeira conversão!
A Epifania recorda-nos que devemos esforçar-nos por todos os meios ao nosso alcance para que todos os nossos amigos, familiares e colegas se aproximem de Jesus.
Os Magos, seguindo a estrela, encontram o lugar onde estava o Salvador com Maria e José. E voltaram às suas regiões por outro caminho.
Quem encontra Jesus Cristo muda de caminho. Toma outro caminho. Um caminho novo, o caminho de Jesus Cristo que se apresenta como o Caminho. O encontrar Deus no menino transforma a vida das pessoas. Já não podem voltar a Herodes. Voltaram por outro caminho à sua região. Importa seguir a estrela que pousará onde está Jesus Cristo. Precisamos estar atentos à estrela. A estrela são todos os sinais de Deus para que encontremos o Messias Salvador: a Palavra de Deus, os Sacramentos, o Magistério da Igreja, uma boa palavra do sacerdote ou de pessoas amigas, os acontecimentos da vida.
Os Magos seguiram a estrela. Não duvidaram, porque sua fé era sólida, firme; não titubearam perante a fadiga de tão longa viagem, porque o seu coração era generoso. Não adiaram a viagem para mais tarde, porque tinham alma decidida. É importante aprender dos Magos a virtude da perseverança: mesmo durante o tempo em que a estrela se ocultou aos seus olhares continuaram à procura do Menino! Também nós devemos perseverar na prática das boas obras, mesmo durante as mais obscuras trevas interiores. É a prova do espírito, que somente pode ser superada num intenso exercício de fé. Sei que Deus assim o quer, devemos repetir nesses momentos: Sei que Deus me chama e isso basta! “Sei em quem pus a minha confiança” (2Tm 1, 12).
Sejamos estrelas que vão indicando o caminho ao próximo para que ele encontre o Messias Salvador. Há muitas maneiras de sermos estas estrelas, dando testemunho de Jesus Cristo. Isso na família, na Igreja e na sociedade. Que na festa da Epifania nos deixemos guiar pela estrela, iluminar por ela, e poderemos ser luz para os outros.
Peçamos à Virgem Maria que nos conduza ao seu Filho Jesus. Os Reis Magos tiveram uma estrela. Nós temos Maria!
Mons. José Maria Pereira

sábado, 30 de dezembro de 2017

Bendize, ó minha alma.


Salmo de Davi. Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e tudo o que existe em mim bendiga o seu santo nome. Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e jamais te esqueças de todos os seus benefícios. É ele que perdoa as tuas faltas, e sara as tuas enfermidades. É ele que salva tua vida da morte, e te coroa de bondade e de misericórdia. É ele que cumula de benefícios a tua vida, e renova a tua juventude como a da águia. O Senhor faz justiça, dá o direito aos oprimidos.

SALMO 103,1-6 (102)



Oração à Sagrada Família.


Jesus, Maria e José,
em Vós, contemplamos
o esplendor do verdadeiro amor,
a Vós, com confiança, nos dirigimos.
Sagrada Família de Nazaré,
tornai também as nossas famílias
lugares de comunhão e cenáculos de oração,
escolas autênticas do Evangelho
e pequenas Igrejas domésticas.
Sagrada Família de Nazaré,
que nunca mais se faça, nas famílias, experiência
de violência, egoísmo e divisão:
quem ficou ferido ou escandalizado
depressa conheça consolação e cura.
Sagrada Família de Nazaré,
que o próximo Sínodo dos Bispos
possa despertar, em todos, a consciência
do carácter sagrado e inviolável da família,
a sua beleza no projeto de Deus.
Jesus, Maria e José,
escutai, atendei a nossa súplica.

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Num quarto de hospital .



 Dois homens, seriamente doentes, ocupavam o mesmo quarto em um hospital. Um deles ficava sentado em sua cama por uma hora todas as tardes para conseguir drenar o líquido de seus pulmões. Sua cama ficava próxima da única janela existente no quarto. O outro homem era obrigado a ficar deitado de bruços em sua cama por todo o tempo. 

Eles conversavam muito. Falavam sobre suas mulheres e suas famílias, suas casas, seus empregos, seu envolvimento com o serviço militar, onde eles costumavam ir nas ferias. E toda tarde quando o homem perto da janela podia sentar-se ele passava todo o tempo descrevendo ao seu companheiro todas as coisas que ele podia ver através da janela. O homem na outra cama começou a esperar por esse período onde seu mundo era ampliado e animado pelas descrições do companheiro. 

Ele dizia que da janela dava pra ver um parque com um lago bem legal. Patos e cisnes brincavam na água enquanto as crianças navegavam seus pequenos barcos. Jovens namorados andavam de braços dados no meio das flores e estas possuíam todas as cores do arco-íris. Grandes e velhas arvores cheias de elegância na paisagem, e uma fina linha podia ser vista no céu da cidade. Quando o homem perto da janela fazia suas descrições, ele o fazia de modo primoroso e delicado, com detalhes e o outro homem fechava seus olhos e imaginava a cena pitoresca. Uma tarde quente, o homem perto da janela descreveu que havia um desfile na rua e embora ele não pudesse escutar a musica, ele podia ver e descrever tudo. 

Dias e semanas passaram-se. Em uma manhã a enfermeira do dia chegou trazendo água para o banho dos dois homens mas achou um deles morto. O homem que ficava perto da janela morreu pacificamente durante o seu sono a noite. Ela estava entristecida e chamou os atendentes do hospital para levarem o corpo embora. Assim que julgou conveniente, o outro homem pediu a enfermeira que mudasse sua cama para perto da janela. A enfermeira ficou feliz em poder fazer esse favor para o homem e depois de verificar que ele estava confortável o deixou sozinho no quarto. 

Vagarosamente, pacientemente, ele se apoiou em seu cotovelo para conseguir olhar pela primeira vez pela janela. Finalmente, ele poderia ver tudo por si mesmo. Ele se esticou ao máximo, lutando contra a dor para poder olhar através da janela e quando conseguiu faze-lo deparou-se com um muro todo branco. Ele então perguntou a enfermeira o que teria levado seu companheiro a descrever-lhe coisas tão belas, todos os dias se pela janela só dava pra ver um muro branco? 

A enfermeira respondeu que aquele homem era cego e não poderia ver nada mesmo que quisesse. Talvez ele só estivesse pensando em distrai-lo e alegrá-lo um pouco mais com suas historias.

Moral da história: há uma tremenda alegria em fazer outras pessoas felizes, independente de nossa situação atual. Dividir problemas e pesares é ter metade de uma aflição, mas felicidade quando compartilhada é ter o dobro de felicidade. Se você quer se sentir rico, apenas conte todas as coisas que você tem e que o dinheiro não pode comprar. Hoje é um presente e é por isso que é chamado assim.

Mensagem enviada por: Janaína - RJ

Santos Inocentes Mártires.


A memória dos santos inocentes lembra de todos os meninos que foram cruelmente pelo rei Herodes por ocasião do nascimento do menino Jesus. De acordo com a tradição todos os meninos de até dois anos foram mortos, para garantir que o filho de Maria fosse também eliminado. 

Quem narrou para a História foi o Apóstolo Mateus, em seu Evangelho. Os sábios do oriente procuraram Herodes, perguntando onde poderiam encontrar o recém-nascido Rei dos judeus para saudá-lo. O rei consultou então os sacerdotes e sábios do reino, obtendo a resposta de que o Ele teria nascido em Belém de Judá, Palestina. 

Herodes, fingindo apoiar os magos em sua missão, pediu-lhes que depois de encontrarem o "tal Rei dos judeus", voltassem e lhe dessem notícias. Mas os reis do Oriente, avisados em sonho pelo espírito de Deus, voltaram para casa por outro caminho. 

O tirano, ao perceber que havia sido enganado, decretou a morte de todos os meninos com menos de dois anos de idade nascidos na região. O decreto foi executado à risca pelos soldados do seu exército. 

Reflexão: 

Esses pequeninos inocentes de tenra idade, de alma pura, escreveram a primeira página do álbum de ouro dos mártires cristãos e mereceram a glória eterna segundo a promessa de Jesus. A Igreja celebra a festa dos Santos Inocentes perto da Natividade de Jesus, uma vez que tudo aconteceu após visita dos reis magos. A escolha foi proposital, pois quis que os Santinhos Inocentes alegrassem com sua presença a manjedoura do Menino Jesus. 

Oração: 

Meu Senhor, pelos Santos Inocentes, quero Vos rogar hoje por todos aqueles que são injustiçados, sofrem ameaças, são marginalizados e incompreendidos. Olhai pelos pequeninos, abandonados e assassinados pelas estrutura de morte de nossa sociedade. Que convosco eles alcancem dignidade e paz. Amém. 

Colaboração: Padre Evaldo César de Souza, CSsR